De olho na Black Friday, black friday, uso consciente do dinheiro, consumo consciente, contabilidade, assessoria contábil

De olho na Black Friday com a Técnica dos 5 Q’s

O Brasil adotou a Black Friday em seu calendário comercial no ano de 2010. Entretanto, diferente do que acontece lá fora, a garantia de melhor preço pode não acontecer aqui em terras tupiniquins. Sendo assim, é bom ficar atento para não cair em cilada.

Para sair ganhando, pesquise o preço dos itens pretendidos previamente e compare-os durante a Black Friday. Dessa forma ficará fácil saber se realmente há uma precificação diferenciada e se vale a pena encarar a compra. Uma outra dica é ficar de olho na quinta-feira que antecede a liquidação. A S3R já observou por diversas vezes que os preços costumam ficar ainda melhores nesse dia e não na sexta-feira. Não custa, então, acompanhar, certo?

Contudo, há outros fatores que merecem atenção nessa Black Friday!

Em caso de compras online, opte por sites com certificação digital, onde seus dados são criptografados, ficando então, seguros. Em caso de compras em lojas físicas, cuidado ao digitar senhas ou até mesmo, ao carregar grandes somas em dinheiro.

Questione os preços! Preços muito abaixo do convencional podem sinalizar propagandas enganosas e gerar dores de cabeças futuras. De acordo com o Portal G1, inclusive, a maquiagem de preços foi o carro chefe nas reclamações nas últimas três edições da Black Friday.

O prazo de entrega e o valor do frete também precisam ser observados. O preço do produto pode ser vantajoso, mas talvez o prazo de entrega seja bem maior que o de costume.  E, muitas das vezes o valor dado em desconto no produto é compensado aumentando-se o valor de frete. Sendo assim, cuidado para não trocar seis por meia dúzia.

E a nossa dica mais valiosa nesse período de Black Friday é o uso da Técnica dos 5 Q’s da Nathália Arcuri. Ela é composta por cinco perguntas básicas que, certamente, podem te poupar de gastar além do necessário. Confira aí!

O que?

Ele trata de saber exatamente o que se quer. Se é um produto ou um serviço. Ou seja, essa pergunta trata de dar nome aos bois.

Para que?

Uma vez que foi definido o que se quer, é hora de verificar qual o propósito de ser ter esse objeto ou de usufruir desse serviço. Por certo, o que se pretende adquirir necessariamente precisa combinar com você, com seus valores e aspirações. Do contrário, vai ser um tiro no pé, dinheiro jogado fora. E isso você não quer. Então, nessa Black Friday, pense bem: você realmente precisa disso?

Quando?

Estipule o prazo para tornar real, palpável, aquilo que se deseja. É muito importante estabelecer prazos coerentes e racionalmente possíveis. Para tanto, pé no chão na hora de definir prazos.

Quanto?

Saber quanto custa aquilo que se quer é fundamental. Portanto, na fase desse quarto Q é importante pesquisar o valor atual do que se pretende adquirir, principalmente na Black Friday.

Quem?

Quem vai pagar essa conta? De onde o dinheiro vai sair? Vai ser diretamente do salário? Vai sair de uma poupança já existente? Vai sair de um investimento que ainda não teve seu primeiro aporte? Enfim, definir isso vai contribuir para um planejamento coerente que permita uma execução muito bem sucedida. E, durante a Black Friday, não seja impulsivo. Não gaste além do que tem ou do que deve.

Ao responder essas perguntas você terá a chance de avaliar se realmente precisa gastar algum dinheiro na Black Friday ou se vale mais a pena poupar. Mas independentemente do que você vai escolher, saiba que você pode alcançar a sua liberdade financeira mais rápido do que pensa. É só ficar ligado nas nossas palestras. A S3R te ajuda desde a base da educação financeira (poupar, controlar e investir) até os primeiros passos para os seus próprios investimentos.

Aqui, você pode S3R!

A verdade sobre o Décimo Terceiro, décimo terceiro, 13º salário, gratificação de natal, subsídio de natal, contabilidade, assessoria contábil, educação financeira

A verdade sobre o Décimo Terceiro

No post anterior a S3R Contabilidade e Educação Financeira trouxe os pontos legais que circundam o pagamento do décimo terceiro. Segundo a lei, todo trabalhador em regime de CLT tem direito a ganhar um salário a mais a cada ano trabalhado. Mas será que o décimo terceiro trata mesmo de um benefício garantido ao trabalhador por pura boa vontade? Na prática é possível verificar que ele é devido por uma questão de justiça ao trabalhador e não por um bônus. Quer saber por que? Fique ligado!

Vamos considerar que um trabalhador receba um salário de R$ 1.000,00 (mil reais). Ao longo de um ano, o total recebido, a título de salário, deveria ser R$ R$ 12.000,00 (doze mil reais). Somado ao benefício do décimo terceiro, este trabalhador ganharia por ano a soma de R$ 13.000,00 (treze mil reais), certo? Ok!

Agora veja o mesmo cenário, entretanto, usando o cálculo semanal ao invés do mensal para ver no que vai dar. A propósito, a título de curiosidade, antes da lei do décimo terceiro (1962), os trabalhadores recebiam semanalmente os seus proventos e não mensalmente como é atualmente. Mas voltemos então ao cálculo que interessa!

Considerando que o mês tem 4 semanas, o salário semanal desse trabalhador, seria de R$ 250,00 (duzentos e cinquenta reais). Considerando então, que o ano possui 52 semanas, quanto seria o valor recebido, a título de salário, por esse trabalhador? Os mesmos R$ 13.000,00 (treze mil reais) citados acima.

Então, o que isso quer dizer sobre o décimo terceiro?

Quer dizer que esse cálculo não corrobora a ideia de que o décimo terceiro seja um bônus pago pelo empregador. Ao contrário. Mostra que o pagamento nada mais é que a remuneração pelo trabalho prestado por parte do empregado durante o ano.

Ou seja, embora o décimo terceiro seja um direito do trabalhador, ele não é um bônus. É salário devido, é questão de justiça! E mais: antes de 1962, o trabalhador recebia o valor por seus serviços no tempo devido, a cada semana trabalhada. Com a instituição do décimo terceiro, um mês de salário (ou quatro semanas), fica pra depois. Entendeu a jogada?

Pode S3R que você não sabia disso, por isso resolvemos contar! Afinal, nem tudo o que parece, é!

contabilidade bh, serviços contábeis bh, assessoria contábil bh, décimo terceiro salário, gratificação de natal, subsídio de natal, 13º salário, educação financeira

13º Salário: o que você precisa saber

O 13º salário, também conhecido como “Gratificação ou Subsídio de Natal”, foi sancionado pela Lei nº 4.090/62. Portanto, é um direito devido ao trabalhador e que corresponde a 1/12 sobre a sua remuneração a cada mês trabalhado.

Todos os trabalhadores têm direito ao 13º salário?

A Gratificação de Natal é devida a todo trabalhador desde que este tenha sua carteira de trabalho assinada. Estão inseridos neste grupo o trabalhador rural, urbano, avulso ou doméstico que tenham trabalhado ao menos 15 dias no ano. Entretanto, é bom lembrar que os aposentados e os pensionistas do INSS também têm direito ao 13º salário.

Como é feito o cálculo do Subsídio de Natal?

Para efeito de cálculo considera-se o salário integral do trabalhador adicionado das horas extras e adicionais noturno, insalubridade e periculosidade. A cada mês trabalhado garante-se o direito a 1/12 dessa base de cálculo.

Caso o trabalhador não tenha um mês de trabalho completo, mas tenha desempenhado sua função pelo período de 15 dias, terá garantido seu 1/12 referente ao 13º terceiro. Entretanto, em caso de mais de 15 faltas não justificadas dentro do mês, perde-se a fração correspondente a esse período.

Como deve ser realizado o pagamento?

O pagamento do 13º salário é regulamentado de acordo com a Lei nº 4.749/65. Essa lei determina que o pagamento da Gratificação de Natal deve ser feito em até duas parcelas pelo empregador. Nesse caso, o empregador é quem escolhe o número de parcelas em que procederá o pagamento em folha.

Ao optar pelo pagamento integral do Subsídio de Natal o trabalhador tem até o dia 20 de dezembro para sua efetivação. Caso opte pelo pagamento em duas parcelas, deverá fazê-lo até os dias 30 de novembro e 20 de dezembro, respectivamente. Se essas datas coincidirem com domingo ou feriado, o pagamento deve ser antecipado para o dia útil anterior.

Há ainda a opção de adiantamento da primeira parcela do 13º salário por ocasião de férias. Mas nesse caso, o trabalhador deve solicitá-lo diretamente ao empregador no mês de janeiro de cada ano.

É permitido algum tipo de desconto na Gratificação de Natal?

Sim. Desconta-se o valor correspondente ao INSS referente ao trabalhador e também o Imposto de Renda, quando aplicado. No caso do pagamento em parcelas, tais valores são descontados, conforme orientação da lei, na segunda parcela do 13º salário.

E se o contrato de trabalho for extinto?

Caso o vínculo empregatício seja extinto e o trabalhador tenha ao menos 15 dias de trabalho, o 13º será pago na ocasião da rescisão contratual de forma proporcional ao período de tempo trabalhado. Entretanto, esse direito não se estende à extinção de contrato por justa causa.

Há penalidades em caso de atraso ou não pagamento do Subsídio de Natal?

Não há especificações legais que discorram sobre multas ou juros no caso de atraso de pagamento da Gratificação de Natal. Normalmente, o Ministério do Trabalho e os sindicatos exigem apenas o pagamento do que é devido ao trabalhador. Já a Justiça é tendenciosa à cobrança de juros e a devida correção da moeda.

Mas, em caso de não pagamento do 13º salário até o dia 30 de novembro, o empregador pode ser multado. A multa corresponde ao valor de R$ 170,25 e é cobrada por empregado. Em caso de reincidência, esse valor é multiplicado por dois.

Para que o empregador sofra essa penalidade o trabalhador deve fazer uma denúncia ao Ministério de Trabalho ou no sindicato de sua categoria, caso exista, para que seja feita a fiscalização.

liberdade financeira, educação financeira, contabilidade, assessoria contábil, investimentos para iniciantes, invista seu dinheiro

Liberdade Financeira: dicas para alcançar a sua

No post sobre finanças pessoais ficou claro que a educação financeira é possível para qualquer pessoa, sem que haja dor e ranger de dentes. Medidas simples e uma postura focada são o pontapé inicial mais importante dessa jornada que requer, de fato, disciplina e constância, rumo à liberdade financeira.

Além das palestras e conteúdo sobre finanças pessoais que já oferece, A S3R preparou algumas dicas bem simples para que você já comece a zelar pelas suas finanças pessoais ainda hoje. Fique tranquilo! Todas as sugestões requerem de você apenas a decisão de começar. Então, você não precisa ser PhD em finanças ou expert em índices financeiros.

Confira a lista e, qualquer coisa, é só vir falar com a gente! Aliás, a S3R Contabilidade e Educação Financeira existe exatamente para ajudar você!

Bora começar a jornada rumo à sua liberdade financeira?

1ª Tenha um controle financeiro. Não importa o suporte: planilhas, aplicativos, programas financeiros, a própria nuvem, etc… O importante é você ter sempre tudo organizado e a salvo. Não deixe passar nada!

2ª Dia da organização financeira. Separe um dia da semana para que você cuide de suas finanças pessoais. Nesse dia, faça uma conferência na sua planilha financeira, verificando vencimentos próximos e o saldo da conta bancária. Faça o mesmo com a fatura do cartão de crédito. Assim, você mantém seu foco e ainda tem a chance de recuperar alguma informação que porventura tenha esquecido.

3ª Equilibre suas receitas com suas despesas. Se você gasta mais do que ganha e não fizer nada a respeito, tudo o que vai conseguir é um buraco financeiro. Portanto, estabeleça prioridades. Todavia, uma perguntinha curinga nessa fase é: ‘eu realmente preciso disso?’ Ou então, se você é daqueles que acham sempre que tudo pode ser útil, pergunte-se: ‘isso pode ficar para depois?’.

4ª Leia sobre o assunto. Pondere o conteúdo absorvido e veja o que pode ser aplicado à sua realidade.

5ª Aprenda, sobretudo, com os erros alheios. A experiência do outro, seja ele conhecido seu ou não, por te ajudar e muito. Assim, você poupa tempo e evita erros próprios.

Tempo é dinheiro!

6ª Tenha metas. Objetivos são importantes para tudo na vida. Se você quer liberdade financeira, estabeleça uma meta, ainda que pequena, e persiga-a até conseguir. Aos poucos você vai se habituando e ampliando seus horizontes, aumentando suas metas. Só não se esqueça: um degrau por vez. Ninguém conquista liberdade financeira da noite para o dia.

7ª Reserve. Estabeleça um valor ou percentual que possa ser guardado mensalmente para imprevistos. Assim, se algo inesperado acontecer (a gente espera que não aconteça, mas…) você tem pra onde correr.

8ª Pense bem antes de parcelar. A ilusão do crédito é um dos maiores responsáveis pelo endividamento pessoal. Você acha que está tudo sob controle e, no final das contas, acaba gastando além do que pode. O resultado disso? Não queria você experienciar…

9ª Poupe. Gastar menos do que se ganha não vai te levar ao pote de ouro no fim do arco íris tão facilmente. Mas, se você usar esse valor não utilizado para investir, aí sim você ficará ainda mais perto da liberdade financeira tão sonhada…

10ª A melhor das dicas: inscreva-se em nossas palestras! A S3R tem uma linguagem própria que torna tudo mais interessante e prático para você. Além disso, nossa experiência no assunto é real. Tudo aquilo que nós abordamos, nós praticamos. Falamos com conhecimento de causa porque antes de você trilhar por esse caminho nós nos dispusemos a desbravá-lo primeiro. E informação a gente não nega!

Mais fácil que isso você não vai encontrar por aí… Se liga: aqui você pode S3R!

educação financeira, finanças pessoais, contabilidade, investimento, liberdade financeira, contabilidade, serviços financeiros, assessoria contábil, aprenda a investir

Finanças Pessoais: por onde começar

Finanças pessoais é um assunto bastante melindroso pra muita gente. Isso ocorre por vários fatores como dificuldades financeiras ou até mesmo a falta de aptidão para administrar o próprio dinheiro. O fato é que o cuidado com as finanças pessoais não precisa ser assim tão temido. A S3R Contabilidade e Educação Financeira mostra para você neste post!

A primeira etapa dessa jornada rumo ao melhor gerenciamento das finanças pessoais passa pelo equilíbrio.O que isso quer dizer? Significa que, por mais que você repense a forma de usufruir o seu dinheiro, você não precisa partir para o extremismo. Ao contrário do que muitos pensam, a educação financeira, principalmente dentro das finanças pessoais, acontece com medidas simples e disciplina.

Finanças pessoais em dia usando medidas simples e disciplina?

Se você parar para analisar, ações pequenas e certa disciplina já fazem parte da rotina de todo mundo. Por exemplo: pra buscar seus filhos na escola é preciso disciplina com o horário. Sem ela, seus filhos vão ficar no pátio esperando um monte até que você os busque. Pra ter uma saúde mínima, você precisa ter disciplina e regularidade ao comer, beber água, etc. Para cumprir suas tarefas profissionais é preciso medidas que organizem seus afazeres de acordo com o prazo de entrega. E por aí vai.

O segredo é se empenhar no zelo pelas suas finanças pessoais da mesma forma que você se dedica a outros eventos do seu dia a dia. Colocado dessa forma, não é tão complicado assim, certo? Se você consegue seguir regrinhas e ser disciplinado com outros eventos, vai conseguir o mesmo em suas finanças pessoais. É exatamente isso que a gente quer que você entenda.

Um outro fator importante e que pode ser considerado para que você decida começar sua educação financeira ainda hoje é a motivação. Quem nesse mundo não quer liberdade financeira? Quem não quer poder dar um presente bacana para o parceiro sem ter que revisar planilhas financeiras repetidamente? Quem não quer viajar sem ter que parcelar as despesas a perder de vista? E indo um pouquinho mais fundo, quem não gostaria de ter uma reserva que garanta a tranquilidade da família em caso de qualquer inconveniente? O pessoal da equipe S3R Contabilidade e Educação Financeira quer e, por tanto querer isso pra gente, quer para você também. Se você quer mesmo tudo isso, já tem motivação o suficiente para dar o primeiro passo.

Mas como começar?

A melhor parte disso tudo é que você não está sozinho. Para ajudar você nessa empreitada, a S3R Contabilidade e Educação Financeira desenvolveu uma série de palestras que, além de fazer você entender todo o processo de forma simples e prática, te indicarão também o melhor caminho a trilhar rumo à sua independência financeira e dentro da sua realidade.

Mas é só isso? Não, claro que não. Seria insano fazer tal afirmação. Entretanto, ainda que isso não seja tudo, garantimos que essa etapa já é boa parte do caminho a ser percorrido. E, para que você não fique aí com aquela sensação de ‘quero mais’ enquanto não se inscreve para nossas palestras, clique aqui e confira algumas dicas valiosas que auxiliarão na manutenção da disciplina em relação às suas finanças pessoais.

Mas, se você quer logo partir pro ataque, confira nossa agenda de eventos e escolha por onde você quer começar!

Aqui, você pode S3R!